| 
  • If you are citizen of an European Union member nation, you may not use this service unless you are at least 16 years old.

  • Stop wasting time looking for files and revisions! Dokkio, a new product from the PBworks team, integrates and organizes your Drive, Dropbox, Box, Slack and Gmail files. Sign up for free.

View
 

FrontPage

Page history last edited by Iris Elisabeth Tempel Costa 11 years, 8 months ago
 
 

 

 

Prezados cursistas

 

Bem-vindos ao wiki 2007 do pólo de Alvorada.

 

Neste espaço vamos publicar as atividades propostas para o Seminário Integrador III.

 

As atividades dos meses anteriores, vocês acessam no Menu.

 

 

 Para facilitar, abaixo está a tabela com os dias de encontros presenciais.

 

 

  set out nov dez jan
Escola, Projeto Pedagógico e Currículo  10        
Ludicidade e Educação 24     10  
Teatro   01 19    
Literatura 18   19    
Música 24   12    
Artes Visuais 18   *10* 17  
Seminário Integrador III   16      
Recesso natalino
       22-31  1
Avaliação presencial         4-11
Fechamento dos conceitos e recuperação         14-18
 
 

  Bom trabalho para todos, Beatriz e Iris

 


 Dezembro

 

Atividade Presencial - Seminário Integrador III -Encontro no pólo no dia 28/11 das 19h às 20h30m para orientações acerca do Portfólio de Aprendizagem.

 


Avaliação Presencial - Construção do Portfólio

 

Queridos alunos

 

Chegou a hora de, cada um de vocês, fazer o seu "Portfólio de Aprendizagem"

 

 

Ao longo do semestre, vocês registraram em  seus blogs  evidências de aprendizagem, explicitadas nos relatos, reflexões, trocas, conclusões e apresentações de trabalhos. Podemos dizer que os blogs, nesse semestre, revelaram bem mais os esforços, as conquistas, as propostas e as dificuldades.  Revelaram muito de cada um de vocês, principalmente no que diz respeito à compreensão intelectual das atividades, à criatividade ao transpô-las para a sala de aula, à busca da explicação, ao aceite do desafio.

 

Mas, mais importante que tudo, revelou redes de interrelações de conceitos e ações das interdisciplinas e redes interativas entre professores e alunos, professores, alunos e alunos das escolas que impulsionaram movimentos de inovação e transformação no âmbito escolar, acadêmico e social, tendo as tecnologias como companheiras .

 

Assim, queridos alunos, vamos à sintese final, ao momento das escolhas!!! É o momento em que cada um de vocês vai analisar os registros, pesá-los  em termos de qualidade e influência nas mudanças que aconteceram e nos resultados que obtiveram.

 

Para vocês muito bom trabalho!!

 

 

Como será a estratégia de avaliação?

 

 Como o Portfólio de Aprendizagem será a síntese de todo o trabalho do semestre em uma visão interdisciplinar, sua  avaliação  envolverá a participação dos professores de cada Pólo:

 

     

  • até dia 10/12- publicação do portfólio no ROODA, no webfólio de cada um de vocês;

     

     

  • de 10/12 a 14/12- avaliação do portfólio por um dos professores das 5 interdisciplinas no nosso pólo. O professor avaliador deixará seus comentários e, se for o caso, solicitará mudanças, detalhes ou correções com aintenção de melhorar o texto;

     

     

  • até 21/12- republicação do portólio com as mudanças no ROODA. ATENÇÃO!!! Assim que republicarem o portfólio, avisem por mail o professor que avaliou seu trabalho e solicitou as mudanças;

     

     

  • dia 07/01/2008- entrega impressa do portfólio no pólo, durante o momento de avaliação presencial; 

     

     

  • dia 07/01/2008- apresentação da prática selecionada como aquela que foi a mais rica, interessante e efetiva em termos de aprendizagem, tanto para vocês como para seus alunos.

     

 

 

Critérios de Avaliação

 

Os portfólios serão avaliados tendo em vista os critérios abaixo: 

 

  • Responde às solicitações de riqueza de evidências e argumentações para o portfólio final;
  • Apresenta coerência interna;
  • Demonstra capacidade de síntese;
  • Demonstra trânsito entre teoria e prática;
  • Apresenta aplicação na prática pedagógica;
  • Contempla integração de práticas e/ou conceitos de diferentes interdisciplinas.

 

 Os prazos NÃO serão extendidos.

 

Baixe aqui o arquivo para elaborar o Portfólio das Aprendizagem

 

 

 

Aqui você sabe quem é o seu orientador/avaliador Não esqueça!! É para ele que você deve avisar quando postou seu portfólio

 

Momento Presencial 

 

Data:dia 07/01/2008 

 

Horário: 09:00h às 16:00h, com possibilidades de terminar antes.

 

Ações

 

  • Entrega do Portfólio de aprendizagens impresso e assinado;
  • Apresentação da prática selecionada no portfólio ao grupo e ao professor avaliador. Os grupos serão de 10 ou 11 alunos, coordenados pelo professor que fez as avaliações dos portfólios destes grupos. Essa estratégia visa favorecer o entendimento da apresentação bem como facilitar a comparação entre sua apresentação oral e apresentação escrita;
  • Cada aluno disporá de 10 minutos para realizar sua apresentação, reservando-se mais 5 minutos para os debates. O Pólo disponibilizará um computador para cada sessão para que os alunos possam apresentar seus trabalhos utilizando diferentes recursos e técnicas, como cartazes, slides, multimídia, etc.
  • Durante as apresentações, os alunos avaliarão e serão avaliados também pelos colegas (avaliação pelos pares).

 

Para preparar o seu Portfólio de Aprendizagens e a sua apresentação, confira os critérios abaixo:

    • Portfólio
  • o texto escrito deve estar contido dentro das 3 caixas de texto do formulário;
  • a fonte utilizada deve ser Arial, tamanho 12;
  • todo o formulário não deve passar de 6 páginas. Lembrem que o poder de síntese é um dos critérios de avaliação;
  • o Portfólio deve ser publicado no ROODA, com o nome "nomedoaluno(a)_portfólio2007.doc". Se o professor-avaliador solicitar reformulações no portfólio, a segunda versão deve ser salva como  "nomedoaluno(a)_portfólio2007_versao2.doc";
  • o material utilizado para elaborar o portfólio de aprendizagem deve, NECESSARIAMENTE,  ser buscado no material   publicado no blog. Assim, se utilizar algo ainda não postado, não deixe de fazê-lo.
     
    • Apresentação 
  • o tópico da apresentação deve ser selecionado do texto do portfólio, com justificativa da escolha;
  • pressupõe uma apresentação detalhada de uma atividade realizada na escola, centrada no processo e nos resultados;
  • importante que a apresentação seja criativa, com material ilustrativo.

 

 

 Imagens do Workshop do dia 07/01/2007

 

Sala Profª Iris

Sala Profª Neusa

Sala Profª Beatriz

 

 

 

 

 

*********************************************************************

 

 visitantes

 

 

Geo Visitors Map

 

 

pedagogia
pedagogia

 

 

 

 

 

 

pedagogia
pedagogia

 

 

 

 

Online

 

 

 

  •  

     


     

     

     

     

  • Comments (Show all 74)

    Anonymous said

    at 12:29 pm on Apr 20, 2007

    Revendo o filme percebi que o bebê é morto pelo soldado.O grupo teve preocupação de não interpretar os fatos. Um exercício bem difícil de se fazer. Quase impossível não trazer para aquilo que estamos vendo,nossos sentimentos,nossas emoções,lembranças,impressões...
    Difícil também é analisar uma cena ou imagem quando ela está descontextualizada.Este exercício me trouxe à lembrança um filme que assisti, onde o autor sugere que os índios,à época do descobrimento do Brasil,não viram as caravelas portuguesas pelo simples fato de que não as conheciam. Trago então este questionamento: só vemos o que conhecemos??
    O olhar é pessoal e intransferível. Vejo o que quero ver! Vejo o que conheço e este ver é um dar-se conta do que me rodeia.Olho uma mesma situação em diferentes momentos da vida e ela me parece assim ou assado de acordo com o que trago na "bagagem". E penso que quanto maior a bagagem mais possibilidades tenho de ver os nuances que podem passar desapercebidos.Ou não! Zinara



    Iris Elisabeth Tempel Costa said

    at 1:11 pm on Apr 20, 2007

    Olá, Zinara! Muito interessantes tuas colocações. Vou copiar e colar lá na página das sinopses, onde o pessoal está discutindo isso. Abra@os, Iris

    Anonymous said

    at 10:29 am on Apr 22, 2007

    Ao assistir o filme fiquei impressionada com as cenas chocantes de crueldade,soldados descendo a escadaria com toda a dureza de guerreiros passando por inocentes e matando sem culpa.No momento da cena não consegui fazer uma analise mais critica primeiro pelas cenas de horror e segundo por que ainda temos dificuldades de olhar rápido e interiorizar o contexto.
    Agora com calma olhando o filme com olhar mais atento e observador,lendo a sinopse percebi a dimensão da cena.Uma história de bravo contexto político,na realidade os soldados ali estavam em busca de um ideal,mas como toda luta a vitória acontece gerando dores,amarguras.Com esse exercício percebi que preciso aprender olhar as coisas com um olhar mais sério e tentar enxergar o que está além do que vejo.

    Anonymous said

    at 11:30 am on Apr 26, 2007

    Como mulheres que somos(na maioria), muito bem escolhida foi a cena para vermos e discutirmos,com a proposta de levantarmos detalhes, fatos mais implicitos , menos expostos a um olhar pouco atento ao contexto geral. Nos destacou a cena em que a mãe é atingida com seu bebê , pois no mundo violento em que vivemos estamos sendo levadas a um estado de constante emoção e atenção ligadas a fatos envolvendo tragédias deste feitio. Contudo , acredito que passada a sensação inicial de choque com relação a isto , podemos , se revermos a cena , nos deter a novos detalhes , simbologias subliminares impressas na cena. Com a sinopse podemos perceber que o autor expressa uma série de relações com a situação política , hierarquica , social vivida na Rússia na época. Torna-se um tanto difícil fazermos esta relação com o impacto da cena apresentada no primeiro momento , no entanto , se observarmos com mais distanciamento , analizando o contexto do filme e as associações feitas pela sinopse podemos sim perceber diversas situações claras e muito bem expressas.

    Anonymous said

    at 11:36 am on Apr 26, 2007

    Oi Iris e Bea!
    Não compreendi onde é o espaço de 'ofina de observação' para colocar o comentário??!!
    Sobre os textos da leitura complementar não sabia que era para fazer no wiki e comentamos a respeito deles no e-mail(lembras Iris?!). Devo fazer também no wiki?
    Um abraço

    Anonymous said

    at 2:47 pm on Apr 26, 2007

    Como comentário final sobre a oficina de observação do Seminário Integrador I, coloco aqui algumas considerações. Com relação, a primeira imagem, entendo que parte de um ponto para o todo formador da imagem, sendo construída quadro à quadro, dá a sensação de amplitude. Claro, que nos ensina também que dependendo do ângulo de observação podemos ver apenas uma parte ou o todo depende da pré- disposição do meu ver.
    Já na segunda imagem, com já vamos com um pré- condicionamento pelas legendas, temos a disposição de olhar o que ela nos sugere, para depois nos darmos conta de que não era bem o que a legenda sugeria, temos que ter um senso de observação muito aguçado, para não nos enganarmos com as figuras mostradas, temos que analisá-las com cuidado, para não irmos na primeira impressão, isso quer dizer que: Podemos nos enganar dependendo de como observamos e vemos às coisas a nossa volta.
    Nos textos das leituras complementares ( Ruben Braga e a poesia de Pablo Neruda) , nos leva a uma reflexão: qual a nossa maneira de ver as coisas? com que olhos eu enxergo? o poeta pode fazer poesia ou ter inspiração vendo as coisas mais simples. Mas como podemos ter esses olhos? Nem todos poderão ter olhos de poetas, mas podemos ter olhos de quem pode enxergar o bem, as qualidades, o carinho, a amizade, o amor, ou seja o nosso coração nos diz como devemos enxergar as coisas que nos rodeiam, se eu for bom, com certeza vou ter o olhar do bem, se não for, aí eu posso olhar com olhos de sofrimento e infelicidade, e infelizmente é isso que eu espalho à minha volta.

    Anonymous said

    at 9:27 pm on Apr 26, 2007

    Estou tentando desesperadamente encontrar desde ontem a oficina de observação para realizar as atividades, mas não sei onde encontrar.Soocoooorroo!!!!!!!!!!!!!!!!

    Anonymous said

    at 7:32 pm on Apr 27, 2007

    Devemos olhar o mundo ,as situações da vida,as pessoas ,enfim,tudo não com os olhos normais ,mas com os olhos do coração e da alma.

    Anonymous said

    at 11:18 pm on Apr 27, 2007

    Professoras,
    Tentei entrar no link da sinopse e ele desapareceu.
    Não era nesta página que estavam as atividades?

    Anonymous said

    at 1:59 pm on Apr 28, 2007

    Desculpem a minha distração.Mais um motivo para mim perceber que os nossos olhos enganam, entrei na página para ver uma coisa, como não a vi,não li o que estava escrito na página cheguei a conclusões precipitadas achando que havia sido retirado do meu alcance. Mais uma vez desculpem-me.

    Anonymous said

    at 12:38 am on Apr 29, 2007

    As imagens por si só nos vêm à retina como qualquer outra coisa, brutamente, sem o necessário polimento de um olhar mais aguçado. Mas é só quando, a um segundo olhar, ofuscados pelo processo de lapidação, retirando os pedaços que encobrem o brilho, podemos perceber a intimidade sem nome da essência das coisas. Nominá-las é uma vaidade do ego.Damos-lhes nomes como gema, coração, alma.Damos-lhes cores, frias ou quentes. Damos-lhes vidas, as vidas que criamos para onde aponta nosso olhar.

    Anonymous said

    at 12:47 am on Apr 29, 2007

    Comentário final sobre a oficina de observação:
    Olhares, muitas são as maneiras de olharmos as coisas que estão ao nosso redor, muitas vezes, nem as percebemos, pois estamos absortos pelas neuroses das nossas rotinas. Parar, respirar fundo e perceber o que está ao nosso redor, deve ser a prática cotidiana de todo educador.
    Essa é, sem dúvidas, mais uma das minhas aprendizagens.

    Anonymous said

    at 11:54 am on Apr 29, 2007

    Bem já coloquei comentários em todos os espaços,mas vamos aqui também.Acredito que todas as atividades da oficina de observação,serviram para mostrar o quanto não exercemos o "enxergar".Usamos o "olhar" o tempo todo,mas nem sempre enxergamos os detalhes .

    Anonymous said

    at 5:17 pm on Apr 29, 2007

    Todas as imagens que foram visualizadas, os textos apresentados e lidos, nos fez perceber que necessitamos não tão somente olhar mas enxergar o que há ao nosso redor. Nem tudo que se olhar se enxerga. Às vezes, pecamos com nosso educando por não saber diferenciar o "olhar" do "enxergar". Que apartir de toda esta gama de observações feitas possamos enfim ter um olhar mais direto a cada aluno, mais diferenciado pois todos são diferentes e devemos deixar de ter a mania de achar que todos são iguais.

    Anonymous said

    at 6:33 pm on Apr 29, 2007

    Hoje consigo ver, que devido a correria do dia a dia nosso aluno muitas vezes passa desapercebido. Cada aluno tem o direito de receber um olhar diferenciado do seu professor.

    Anonymous said

    at 6:36 pm on Apr 29, 2007

    Concordo com o que a colega Rejane colocou em seu comentário, com as leituras e os exercícios pude refletir que somente olho mas não enxergo muitas coisas que acontecem no meu dia-a-dia, e para nós educadores é essencial que tenhamos este sentido apurado. Devemos enxergar o que está acontecendo com o nosso aluno para assim melhor atendê-lo.

    Anonymous said

    at 7:54 pm on Apr 29, 2007

    Realmente é necessário que mudemos constantemente o zoom do nosso foco de observação, para que talvez alcancemos um olhar mais aproximado do que está sendo observado. É necessário também acrescentar a este olhar mais e mais carinho, compreenssão. Saber e fazer dos direitos de que que cada um mereçe ser respeitado nos seus limites e nas suas realizações.

    Anonymous said

    at 8:01 pm on Apr 29, 2007

    A Diferença entre olhar e ver por Juliano Moreno (Juliano Moreno é escritor, produtor cultural. Mestre em História pela UFMT e professor universitário)
    O escritor português José Saramago, abre seu romance "Ensaio sobre a cegueira" com uma frase: "Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara." No cotidiano usamos a palavra ver e olhar como sinônimos às vezes, mas de fato há uma diferença. O verbo olhar designa o ato de fixar os olhos em alguma coisa ou situação, quando olhamos agimos mecanicamente sem objetivo de desvendar a realidade mirada, apenas orientamos nossos olhos para imagem. Quando utilizamos o verbo ver, em sentido próprio, queremos expressar além do ato de fitarmos uma miragem, mas de estabelecer uma relação de conhecimento por meio do sentido da visão. Por isso não há como não reparar quando objetivo é ver, enxergar.

    Anonymous said

    at 8:13 pm on Apr 29, 2007

    Lendo os textos, percebi que temos que ter um olhar diferenciado para cada situação,ter um olhar mais atento para cada aluno, respeitando a individualidade e seu tempo para aprender.

    Anonymous said

    at 10:48 pm on Apr 29, 2007

    Li Rubem Alves e Pablo Neruda, os dois fazem uma descrição bem detahada do que está sendo visto, todos os detalhes estão sendo descritos e também é comparado a sentimentos.

    Anonymous said

    at 11:25 pm on Apr 29, 2007

    Gostei muito da Oficina de Observação pois me obriguei a parar e pensar na maneira como vejo o mundo e os outros. Foi bastante válida essa prática.

    Anonymous said

    at 1:04 pm on Apr 30, 2007

    Oi Rosane e Magali, a Oficina de observação é o conjunto das atividades que começou com o filme e terminou com as leituras complementares. Portanto, volta lá em março e abril e identifica o que ainda não fizestes.Rosane e Magali, vocês não fizeram os comentários do zoom e das imagens.Esses cometários devem ser colocadas nos comments das pg respectivas.Magali, tu ainda não fizestes os comentários nos grupos s de colegas que estão selecionados para tal. Voltem ao peadalvorada2 e cliquem no link março e abril, colocado na sidebar. Ali estão as atividades.
    Um abraço
    Bea

    Anonymous said

    at 2:27 pm on Apr 30, 2007

    Depois do trabalho das oficinas de observação e da leitura dos textos complementares,cheguei a conclusão que o professor dificilmente trata o aluno como um indivíduo. Posso dizer que, sob o ângulo de que cada um é um e portanto merecedor de chances, não podemos rotular e daí discriminar os nossos alunos.Não oportunizar as mesmas chances , uma vez que as características de um não são iguais as de outro,é negar o direito à aprendizagem. Na realidade, o que deveria ser feito é um trabalho de observação minucioso e a partir daí, com os resultados, trabalhar o aluno como um ser individual e capaz. Mas como trabalhar respeitando as características sem fazer uma observação atenta? E como coletar dados fiéis se aquilo que observo pode não ser o que vejo? Chamou-me a atenção a parte que Rubem Alves escreve que os olhos da criança estão na caixa de brinquedos.Por que não olharmos para as situações de sala de aula com estes mesmos olhos? Talvez conseguíssemos encarar a arte de ensinar com "outros olhos". Na minha escola, costumo escutar comentários de professoras reclamando porque determinadas crianças passaram se possuíam letra horrível,não gostam de ler em voz alta(presumem que não saibam ler).E,confesso,dói quando escuto isto, porque alguns deles foram meus alunos e sei de suas capacidades,bem como sei que ao serem aprovados foram levados em conta mais do que seus hábitos de leitura,escrita e etc(que tenho certeza estavam formados).Cada uma daquelas crianças tem seu jeitinho e elas foram tratadas como únicas, por isto este ano sofrem com o impacto de voltarem a serem "bloco", de perderem sua individualidade. Concluindo, acredito que todos somos diferentes, portanto merecemos tratamentos diferenciados, mas não podemos ter negado o direito de, pelo menos, termos OPORTUNIDADES(estas sim como todos os outros).

    Anonymous said

    at 7:02 pm on Apr 30, 2007

    Através dos vídeos e leituras apresentadas, pude perceber que na maioria das vezes vemos, mas não enxergamos. Muitas vezes olho para meus alunos e vejo rostos, mas quantas vezer eu paro para ver através daquele rosto, através daquele olhar. Na escola onde leciono no turno da manhã aconteceu o seguinte fato, recebi dois alunos novos, ambos vieram de escolas cicladas. No decorrer das aulas verifiquei que um tem dificuldades para ler e interpretar textos e o outro simplesmente não tem nenhum interesse pelas aulas, comentei com algumas colegas e me responderam que "isso é uma herança da escola de ciclos". Passaram-se mais alguns dias e solicitei a presença dos responsáveis na escola. Ambos tinham histórias parecidas para contar, as duas crianças moravam com os pais, a mãe dos dois meninos havia ido embora de casa, um dos meninos, o que não participa de nada na aula apresenta tristeza e depressão e por isso está desestimulado na escola. Me senti muito mal, pois eu os estava julgando sem saber as suas histórias, olhava para eles e "enxergava" alunos desinteressados, não consegui "ver" além.

    Anonymous said

    at 8:09 pm on Apr 30, 2007

    Oi Bea!
    Realmente não fiz aquele primeiro comentário em grupo , pois faltei na aula presencial em que iniciaram o mesmo. Quando abri meus e-malis vi uma mensagem da Aline , dizendo à ti ou à Iris , não lembro bem , que não havia ido à aula e como deveria fazer o trabalho. A resposta à ela foi que não teria muito significado ela fazer aquela parte , uma vez que já havia lido os comentários dos grupos , e que assim perderia um pouco do sentido do comentário. Usei isto para mim e parti do comentário da sinopse. Já fiz do Zoom e Do para pensar. Acredito que não teria sentido eu fazer um comentário inicial nesta etapa , em que já vi o filme todo , li a sinopse e li os comentários de todos os grupos. Se for algo obrigatório farei , mas acho que neste momento da caminhada perde-se o sentido de voltar atrás.
    Um beijo, Magali.

    Anonymous said

    at 9:20 pm on May 2, 2007

    ENTREI!! no Rooda! Aleluia! Glória a Deus! (Sem brincadeira)
    Não só entrei, como consegui copiar a tabela no word, preenchê-la com o tamanho da letra 12, fonte Arial, salvar, abrir, enviar para o meu webfólio (acho), colocar em visível para todos...chique no úrtimo!
    Amados parceiros de jornada, não riam de mim... riam comigo, pois estou muito feliz! Mil beijos a todos!

    Anonymous said

    at 10:47 pm on May 2, 2007

    Isabel querida! Consideres este fato como uma das muitas vitórias que alcançarás neste curso. Maravilha! Entraste no Rooda e conseguiste realizar o necessário. Vou "correndo" espiar. Por hora, parabéns! É isso aí, afilhada!

    Anonymous said

    at 11:27 pm on May 3, 2007

    Revendo o filme “O Encouraçado Potemkin”, fazendo as leituras sugeridas e observando atentamente as figuras (“galinho”, pontinhos, etc) oferecidas cheguei ao entendimento de que devemos ter muito cuidado ao relatar o que vemos. O nosso ver é diretamente influenciado pela nossa carga de vida que nos dá a sensibilidade com que vamos perceber através da visão coisas que outras pessoas não vêem. Por isso dizemos e penso ser verdadeiro, que cada pessoa enxerga diferentemente da outra porque agregado à visão de cada uma estão todos os sentimentos e sensações vividas por elas.

    Anonymous said

    at 1:26 pm on May 16, 2007

    Pessoal, linkei um vídeo sobre Paulo freire lá nas Leituras complementares. Abra@os, Iris

    Anonymous said

    at 3:04 pm on May 16, 2007

    Oi Ledi, é isso mesmo: somos muitoinfluenciados por quem nós somos e pensamos. Por isso, a observação tem que ser cuidadosa e com elementos que garantam um nível de imparcialidade adequado e necessário. Já pensastes como facilmente rotulamos alunos pela onbservação de alguns momentos e ações deles? Talvez, por isso, ser hiper-ativo é hoje um rótulo que explica muita coisa na escola; aluno pobre tem dificuldades; afeto é o mais fundamental na escola e outros. O que achas?
    Um abraço
    Bea

    Anonymous said

    at 7:47 pm on May 19, 2007

    Disse Nietzsche: A primeira tarefa da educação é ensinar a ver. E foi o que aprendi com a oficina de observações e as leituras complementares, ententi realmente que o ato de ver não é coisa natural, é preciso ser aprendido e que para ver olhar é preciso pensar. Há muitas pessoas de visão perfeita que nada veêm, pois não entendem a diferença de ver e olhar, que ver esta ligado no sentido físico da visão e o olhar é feito de meditações para perceber o que não é visto.
    "A diferença se encontra no lugar onde os olhos são guardados. Se os olhos estão na caixa de ferramentas, eles são apenas ferramentas que usamos por sua função prática. Com eles vemos objetos, sinais luminosos, nomes de ruas - e ajustamos a nossa ação. O ver se subordina ao fazer. Isso é necessário. Mas é muito pobre. Os olhos não gozam... Mas, quando os olhos estão na caixa dos brinquedos, eles se transformam em órgãos de prazer: brincam com o que vêem, olham pelo prazer de olhar, querem fazer amor com o mundo".
    (Rubem Alves).

    Anonymous said

    at 7:23 pm on May 22, 2007

    Achei ótima a idéia de colocar no nosso wiki a tabela de acompanhamento das atividades, assim saberemos como estamos indo ou se falta alguma atividade para realizarmos, pois às vezes podem ocorrer falhas na comunicação. Parabéns!!

    Anonymous said

    at 8:43 pm on May 22, 2007

    Infelizmente, fazer a interpretação correta do que se vê é mais complicado do que parece; isto porque depende das vivências de cada um, das experiências que tem e teve até o momento.
    Sendo que cada um percorre seu caminho, sua trajetória no mundo, portanto as visões terão interpretações, observações diferentes. Algumas mais positivas, mais direcionadas aos bons acontecimentos, outras um tanto carregadas de uma interpretação maldosa, melancólica
    Hoje estou vivendo um novo momento em minha vida, muitas descobertas, miutas novidades.Por isto penso também que nossa visão, nossas considerações dependem muito do momento em que enxergamos, do momento que estamos passando em nossas vidas.

    Anonymous said

    at 3:38 pm on Oct 4, 2007

    Oi colegas,Tutoras e Professores.
    Estou adorando participar das histórias.Todas elas tem um pouquinho das nossas vivências e por isso se torna muito iguais os sentimentos e o compartilhar experiências.Acho que neste semestre vou poder discurtir um pouco mais.
    Realmente colega a cada dia vivemos novos sentimentos, o meu é de liberdade, como um passarinho que fugiu da gaiola.
    Bem, é muito bom estarmos vivos e dividirmos nossas emoções.

    Anonymous said

    at 4:05 pm on Oct 4, 2007

    Olá, Marion! Que estares te sentindo como um pássaro liberto.
    Isso é ótimo! Contamos contigo nas discussões e sempre serás bem-vinda.
    Abra@os, Iris

    Anonymous said

    at 5:39 am on Nov 5, 2007

    Pessoal, qual é a senha para entrar na página de Artes Visuais? Estou tentando entrar para colocar os componentes do grupo e não consigo.Estou usando a mesma senha desta página, mas não dá certo. Obrigada!Beijos!!! Inês Cristina

    Anonymous said

    at 10:00 am on Nov 5, 2007

    Ocorreu o mesmo comigo!!! Uso a nossa senha e nao entra.
    ___________________________________________________________
    E por falar em não entra...Artesvisuais está nos matando heim?
    Na verdade o coração trepida de tanta leitura e trabalho.
    Perdão o desabafo..........................................

    Anonymous said

    at 7:35 pm on Nov 26, 2007

    Olá!

    Uma pergunta quanto ao Portifólio:
    As caixas com as perguntas e orientações devem constar nas páginas impresas do trabalho ou mesmo no web? E a segunda página com as colocações dos profes também?

    mardalpias@... said

    at 10:29 pm on Mar 26, 2012

    Quanta saudade!
    Imagine q vim buscar informações
    sobre tutoriais neste III seminario!

    Obrigada pelas grandes oportunidades.

    esponjamusical@... said

    at 2:05 pm on Apr 19, 2012

    ora, ora...o que temos de novidade por aqui, Íris? rs

    You don't have permission to comment on this page.