| 
  • If you are citizen of an European Union member nation, you may not use this service unless you are at least 16 years old.

  • You already know Dokkio is an AI-powered assistant to organize & manage your digital files & messages. Very soon, Dokkio will support Outlook as well as One Drive. Check it out today!

View
 

historiainfantil

Page history last edited by PBworks 16 years, 7 months ago

 

 

Frog era um sapinho muito esperto. Um dia ele teve mais uma grande idéia...

 

Frog pensou em todos os amigos que passaram pela cidade do "Nunca Mais", pensou numa forma de contornar a cidade misteriosa, através da floresta e descobrir o que, de fato, existia do outro lado. Sim, chamaria sua aventura de "A Grande Jornada". Quem sabe, poderia reencontrar todos os amigos que partiram em direção à entrada da cidade e que desapareceram.

Mas para isso, não poderia ir sozinho. Precisaria de dois companheiros corajosos, criativos e tão aventureiros como ele.

Frog sorriu o seu sorriso mais bonito: já sabia quem buscar: Lélo, seu querido amigo jabuti.   Lélo era muito divertido e tinha muita paciência. Ficava horas cantando e vendo Frog saltar e nadar na lagoa.  Dava carona para Frog que gostava de viajar em cima de sua carapaça, é bem verdade que achava a viagem muito lenta, mas amigos se  compreendem, se aceitam e se respeitam mutuamente.   Frog sempre dizia:  -  Cada um tem o seu jeitão !   Tem bichinho que é ligeirinho, outro é lentinho, tem os magrinhos, os fofinhos, os que pulam, cantam, correm, nadam, voam, ... enfim tem lugar para todo mundo, neste mundão.

Lá se foi Frog procurar Lélo para partirem em uma grande e maravilhosa aventura, rumo a terra dos sonhos e da magia.

Depois de encontrar Lélo e colocá-lo a par de seus planos, iniciaram a caminhada em busca do terceiro companheiro de aventura.

Pelo caminho Frog cantava esta canção:"Pela estrada a fora eu vou bem sozinho, levando esses doces...

Lélo então disse:- Ei esta música é de outra história! Chapeuzinho Vermelho vai ficar furiosa com você.

- É mesmo! Mas é que gosto tanto da história do Chapeuzinho vermelho que nem me dei conta. Mas como ela saberá que cantei esta música?

- Ora Frog, estamos indo rumo  a uma terra encantada, todos sabem de tudo por aqui.

Seguindo a jornada, finalmente,  eles encontraram o amigo que  tanto procuravam!

Era o gafanhoto Crock.      Tinha este nome porque vivia esfregando as patinhas da frente fazendo crock, crock, um barulhinho muito engraçado que  anunciava a todos a sua presença. Foi o que facilitou para Lélo e Frog encontrá-lo. Que bom, assim ele também não perderia a aventura.

O gafanhoto Crock gostou da idéia e partiu junto com Lélo e Frog. Crock disse que encontrariam muitos perigos para chegar à cidade do " Nunca Mais", como bruxas, duendes e outras criaturas que vivem lá e por isso deviam ter cuidado. Crock teve uma idéia: - Vamos procurar a fada Bela! Ela mora atrás de um arco-íris e conhece muito bem esta floresta e com certeza nos ajudará. Todos gostaram da sugestão de Crock e foram encontrar um arco-íris para falar com a fada Bela.O caminho para chegar até a fada foi muito longo e cansativo, mas os aventureiros foram persistentes e lá estavam eles frente a uma maravilhosa fada            que os ouviu em silêncio e sabendo dos perigos que eles iriam encontrar pelo caminho,concordou em ajudá-los, mas impôs uma condição: ela também participaria da aventura. Os amigos aventureiros não só aceitaram a proposta da fada Bela, como também ficaram muito felizes, pois uma fada lhes seria muito útil nesta longa aventura.

Mas assim como os bichinhos queriam a companhia uns dos outros, a Fada Bela queria que sua melhor amiga também fizesse parte desta aventura.

- Pessoal, antes de continuar nossa jornada, passaremos na casa de uma grande amiga, é uma pessoa muito legal, vocês vão adorá-la.

- Tudo bem Bela, quem é esta figura? -  perguntou Frog.

- É a Beleléu, ela mora na terceira colina onde o vento faz a curva, é bem no nosso caminho.

- Tudo bem Bela, vamos buscar sua  amiga e seguir nossa aventura.

- Mas a casa dela é muito longe.Podiamos pedir ajuda ao vento ,afinal ele vai sempre por este caminho - disse Lélo.

- Boa idéia,vamos a casa do vento.

Quando lá chegaram,Crok ficou surpreso com o que viu. Nunca tinha estado em uma casa assim antes. Toda de pedra, sem portas, nem janelas, haviam poucos móveis e os que haviam também eram de pedras.

Quem os recebeu foi a irmã do vento, Brisa, que lhes perguntou o que queriam. Frog explicou tudo para Brisa e lhe disse que precisavam pedir ajuda ao Vento para chegarem até a casa de Beleléu.

 Brisa era leve , de tempos em tempos aparecia durante o verão para refrescar os dias quentes desta estação, principalmente á tarde.  Notando o espanto do Crok, foi logo explicando porque sua casa e os poucos móveis eram de pedra: imaginem só com o irmão que tenho se a casa e os móveis não fossem assim como seria, lembram da história do lobo mau e os três porquinhos!?

Brisa os mandou entrar para esperar  Vento que não tardava a chegar.

- Meu irmão vem para o almoço. Ele chega sempre muito rápido e com muita força. Preciso amarrar vocês no pé da mesa para não serem levados por ele. Ele é muito forte.

Quando chegou, foi um espetáculo! Marcou bem sua entrada, com uma rapidez e força própria de um bom vento. Depois de lavar suas mãos, sentou-se à mesa e ficou esperando seu alimento. Brisa contou a ele sobre os amigos que o esperavam. Soltou-os e os apresentou ao irmão.

Vento  ficou muito contente com as visitas pois nunca recebia ninguém em sua casa. Ouviu tudo que eles disseram e depois de muito pensar, falou:

-Vocês querem mesmo fazer esta aventura?

-Claro, queremos saber onde estão nossos amigos. Respondeu Frog.

-Bem vou ajudá-los. Vou dar uma descansadinha e quando sair para o trabalho levo vocês e deixo perto da casa desta Beleléu. Mas aviso,esta viagem não vai ser fácil, fiquem sempre atentos.

Mais tarde, quando o vento levantou, estavam todos prontos para a viagem. Subiram nas suas costas e com todo cuidado,  sairam em disparada ,chegando bem perto da casa de Beleléu.

 Observaram que se tratava de  uma casa muito engraçada, não tinha teto, não tinha nada...ops, isso é música! A casa era realmente engraçada. Do  teto saia um grande telescópio, a porta era enorme com desenhos esotéricos e as janelas com formato de meia-lua.

Os amigos se olharam assustados e disseram:

- Parece casa de bruxa!

- Eu não disse à vocês? Perguntou Bela. Beleléu é uma bruxinha, mas ela é prá lá de especial, vão adorá-la.    

Entraram e lá no quintal estava Beleléu, treinando jiu-jitsu. Que loucura! Os bichinhos acharam aquilo muito estranho, mas gostaram de ter alguém assim para defendê-los de qualquer perigo. Ela era uma bruxinha muito moderna e tri legal.

- Daí galera! - disse Beleléu - quando Bela me ligou, achei o máximo participar desta aventura. Faremos um turismo pela floresta.Porém já está escurecendo e não é prudente caminharmos à noite por lá. Vamos passar a noite aqui em minha casa e sairemos amanhã logo cedo.

Frog e seus companheiros de aventura estavam muito cansados e todos concordaram em dormir na casa de Beleléu. O único problema é que Bela não havia contado a seus amigos que após a meia noite Beleléu deixava de ser uma bruxa boa e sofria uma grande metamorfose. Sua feiúra era horrenda. Além disso, tornava-se canibal- você que está lendo esta história sabe o que é isso?Ela comia gente!Argh!!_ e todos naquela casa estavam correndo um grande perigo. Ops!Mas eles eram animais!!!!Bela foi para o quarto com seus amigos e trancou a porta. Estava muito cansada, mas seu sono não era forte o bastante para amenizar o medo que estava sentindo.

Na sala havia um grande relógio "cuco" e já estava ficando tarde, tic- tac, tic-tac...    

Passavam das 23 horas e 30 minutos. Bela começou a chorar arrependida de ter escondido dos amigos aquele terrível segredo. A cada minuto que passava Bela ficava ainda mais preocupada com o que poderia acontecer após a meia noite. Enquanto isso Frog, Lélo e Crock dormiam tranqüilos e em um sono profundo. Quando o cuco do relógio da sala começou a anunciar a chegada da meia-noite, Bela, não conseguindo agüentar mais o medo que sentia, começou a cantar para espantá-lo. Neste instante, os três amigos acordaram e, ainda meio tontos de sono, ficaram a olhando. Ao vê-los acordados, Bela sentiu que precisava contar o segredo. Sentou-se perto dos três amigos e contou tudo o que sabia sobre sua amiga Beleléu. Ao terminar, ela percebeu que os três amigos se olharam e começaram a rir. Primeiro baixinho, depois, a medida em que um olhava para o outro, as risadas foram ficando mais soltas e intensas. O quarto já estava totalmente preenchido de gostosas gargalhadas quando ouviram três batidas na porta do quarto. No mesmo instante, abre-se uma gaveta de um armário e lá de dentro aparece João Vigilante causando um enorme susto a Bela e seus amigos. Então João diz:

- Calma pessoal! Estou aqui para protegê-los. Esta bruxinha canibal não vai nos importunar, porque ela é uma bruxinha boa e só da meia-noite as seis da manhã é que vira esta monstruosidade. Vou usar a minha capa mágica que nos tornará invisíveis, mas tem um problema, não podemos fazer nenhum barulho. Nisso começaram a sentir um forte cheiro de creolina, um vento gelado e fétido encheu a sala, um barulho ensurdecedor vinha da sala ao lado. Uma risada estridente capaz de deixar qualquer um surdo e aquela figura grotesca vindo na direção deles.

 - Estou com fome, muita fome e não tenho nem uma perninha de sapo ou cabeça de gafanhoto para fazer um chá. Quem sabe um bom caldo de jabuti? - Ai como eu sofro.

Ouvindo isso Frog, Crock e Lélo suaram frio, mas o medo foi mais forte e não fizeram nenhum ruído.

- Se eu tivesse um amigo, mas devoro todos que se aproximam de mim. Foi a maldição. Dizem que fui muito bela, atraente e desejada, mas por não me contentar com minha beleza e desejar a beleza de uma amiga fiquei assim...                 witchani1-15.gif (12501 bytes)

Vou carregar pelo resto de meus dias este fardo, por não me contentar com o que tinha, com o que eu era. Bela nem imagina, se ela soubesse e desejasse em seu coração que eu voltasse a ser o que era, me perdoando de todo o mal que quis lhe causar. Mas ela nem sabe.

Num grito Bela diz: - Eu te perdôo - Saindo debaixo da capa invisível.

- O queeee? Então eu tenho jantar, finalmente. 

Bela parada em frente a Beleléu diz:

- Volte a ser o que era! Eu te perdôo, de todo o coração.

Nisso Beleléu começou a se transformar .... se transformar ... se transformar e.... se transformou!

Ela voltou a ser a bruxinha boa, sem qualquer lembrança do que havia acontecido desde que recebeu a maldição.

 

Agora com tudo resolvido poderiam iniciar a viagem.

Seguiram da casa da Beleléu por um caminho super especial, era uma estradinha de pedrinhas brilhantes e coloridas, que a cada passo que davam ficava ainda mais iuminada.   

Neste caminho havia uma bifurcação com um letreiro de luzes azuis que indicava para a direita "caminho para o lado de lá" e para a esquerda "caminho para o lado de cá". Todos pararam e se olharam.

 

 

Frog falou:

- E aí pessoal? Lado de lá ou lado de cá? Mas que confusão!

Crock disse:

- Pro lado de cá , claro!

- Não, disse Bela, pro lado de lá, é óbvio!

Beleléu disse:

- Não pessoal, vamos pro lado de cá!

 Crock, já meio chateado com tanta discussão, propôs uma solução:

- Assim não dá, vamos votar então!

A maioria resolveu que deveriam seguir rumo ao lado de cá.

Começaram a caminhar, todos bem felizes, rumo a Terra dos Sonhos e Magias. Caminharam alguns metros, apreciando a linda paisagem, quando de repente, levaram aquele susto. Em sua volta pássaros horríveis voando, dragõezinhos famintos, lobos e criaturas do mal iniciando seus ataques, impedindo que Frog e sua turma continuassem a busca.

Bela começou a gritar e resolveram correr daquele perigoso ataque, quando Frog lembrou-se que trouxera João Vigilante no bolso, e ele sempre tem um truque escondido na manga.

- Vejam quem está conosco? Não tenham medo, com João não tem problema.

João respirou o máximo que pode enchendo seus pulmões de ar e começou a inflar. Ele ficou muito grande e imediatamente amarraram suas mãos e pés transformando-o em um enorme balão. Assim todos voaram para longe de todos os perigos. O céu estava muito claro e límpido e do alto avistavam os dois caminhos, mas os perigos agora estavam bem distantes.

Frog não resistindo a tentação fez cócegas na barriga de João. O ar começou a se perder. E lá se foram todos os amigos numa velocidade alucinante até caírem numa clareira da mata longe da estrada e sem a mínima idéia de que caminho deveriam seguir. Achavam então que agora estariam perdidos no meio da floresta quando Frog avistou Frig, um primo seu muito maluco que não via a muito tempo.Frog e Frig se sentiam muito felizes em estarem juntos novamente. 

Frig conhecia muito bem a floresta e resolveu ajudar seu primo. Seria agora o guia da expedição.

Então Crock perguntou: 

Frig se você conhece bem este lugar me diga porque ainda não vimos seres humanos por aqui? Onde eles estão? Frig sentiu um calafrio e respondeu :
- Este lugar é mágico !  Aqui não entra seres humanos ! E Crock perguntou :
- Por que não? Frig respondeu :
- Porquê o ser humano polui o ar que respira, a água que bebe, a terra onde vive e o planeta está ficando doente, por isto aqui ele não pode entrar !  Por onde o ser humano passa ele deixa um rastro de lixo e destruição.  E a Fada Bela ponderou :
- Será  que iremos conseguir deixar  este lugar livre da poluição para sempre ?  Aqui é a nossa casa precisamos cuidar bem dela. Porque as pessoas não deixam a natureza como ela realmente é, limpa e poderosa.

 Ouvindo tudo aquilo Beleléu se manifestou:

- Olha meu exemplo, sou da natureza, adoro as plantas, os animais, as águas límpidas, e as pessoas que não me conhecem ainda me chamam de bruxa? Quem será que realmente faz bruxarias com a Mãe Natureza???

Lélo completou : - A Terra também é a casa do homem e eles são os primeiros a reclamar quando algo está ruim ou sujo, mas fazem muito pouco para mudar a situação.  Por isto eu carrego a minha própria casa para todos os lugares que vou.
Frig tentando calmar seus companheiros, disse:
- Podemos tornar todas as coisas possíveis, basta acreditarmos em nossos instintos, nossos sonhos! Ouvir verdadeiramente a voz dos nossos corações! E se realmente acreditarmos em nós mesmos, poderemos levar aos homens os nossos desejos!
Nesse momento, Frig teve uma idéia brilhante: " E se levasse seus amigos para conhecerem o fundo daquele rio? " Então disse:
- Amigos, venham comigo, pois quero lhes mostrar um lugar magnífico, como nunca viram antes. Pediu a fada Bela que fizesse uma enorme bolha de ar, onde  seus amigos pudessem ficar dentro, sem perigo de morrerem afogados embaixo da água. Então foram eles para mais essa aventura. A primeira maravilha que encontraram foi uma esponja do mar, que havia vindo parar ali devido ao fenômeno Pororoca, e não tinha tido mais vontade de voltar ao mar, pois ali era muito mais calmo e com o tempo aprendera a sobreviver. Seu nome era Bob, e incrível, usava uma calça curta e quadrada. Logo que deixaram o Bob, os amigos seguiram seu caminho e encontraram uma linda sereia, chamada Iara, que tinha uma voz encantadora e cantarolava: " ... Bailam corujas e pirilampos entre os Sacis e as Fadas, e lá no fundo azul, a noite na floresta, a lua iluminou, a noite a roda a festa... "Estavam os aventureiros em estado de hipnose ao ouvirem a música, pois nunca imaginavam que sereias realmente pudessem existir.
Mas e agora? Quem iria libertar nossos amiguinhos? Nada mais nada menos que o Boto cor-de-rosa.
Ele estava observando de perto e esperou o momento certo, pois sabia que as sereias hipnotizavam os visitantes que delas se aproximassem. Então, ele fez uma onda gigantesca libertando dos encantos da sereia, os amigos aventureiros.
Os amigos quando se viram libertos do encanto da sereia, agradeceram ao corajoso boto-cor-de-rosa e aproveitaram para contar ao novo amigo porque estavam ali. Contaram que saíram em uma jornada a procura de seus amigos que foram a cidade do "Nunca Mais" e não retornaram. Queriam saber qual o mistério e o que existia por lá. Será que o Boto poderia ajudá-los a desvendar esta história?
O Boto, além de corajoso era muito prestativo, então se propôs a acompanhá-los nesta jornada.
Enquanto seguiam pelo trajeto, o Boto contou-lhes que coisas estranhas estavam acontecendo por ali,ruídos assustadores e desconhecidos, no escuro tudo era possível acontecer.
Frog escutava tudo muito pensativo e com ar de preocupação,  isso não passou despercebido pelo seu grande amigo Lélo que não conteve sua curiosidade:
-O que foi Frog, porque você está tão pensativo?
-Eu tenho um grande segredo que preciso revelar a todos!
Neste momento o silêncio foi geral, os pássaros calaram-se, Crock parou de esfregar suas patinhas, as folhas das árvores não se movimentavam, e foi então que Frog decidiu revelar o grande segredo:
- Muito tempo atrás, quando eu ainda era filhotinho, meus pais moravam na Terra do Tudo Pode, esse lugar era habitado pelos seres humanos, seres racionais, que achavam que podiam tudo e muitas vezes ignoravam os avisos da natureza.
Meus familiares e eu morávamos numa lagoa perto de uma cabana, onde morava uma familia, composta de um casal e apenas um filho. O filho desse casal era o meu melhor amigo, sempre íamos brincar juntos na floresta, o nome dele era Tom.
Perto da cabana tinha um vulcão, sereno e adormecido que era propenso a erupções esporádicas, seu último acesso de fúria, a quase cem anos atrás, cobriu parte da Terra do Tudo Pode, porém o homem não respeitou o sinal da natureza e começou a habitar os locais próximos ao vulcão.
Certa manhã estávamos eu e meus pais caçando mosquitinhos para o café da manhã, quando ouvimos um estrondo, logo depois outro e outro... De repente olhamos para aquela montanha gigantesca e percebemos que ia acontecer algo terrível, foi então que lembrei de avisar o Tom, que morava mais próximo do vulcão. Quando cheguei na cabana eles já estavam de malas prontas e Tom disse que iam para uma lugar mais seguro, pois num piscar de olhos tudo ali não passaria de uma paisagem infinita e fantasmagórica de cinzas, pó e grande lavas fumegantes.
Corri para casa e contei para meus pais, foi então que começamos a nossa jornada em busca de um novo lar, porém quando mais tentávamos nos distanciar do vulcão parece que mais perto de nós chegava o calor das labaredas que incendiavam tudo ao nosso redor. Já estávamos entrando em pânico, pois nossas pernas eram muito curtas e era o único meio de transporte que tínhamos naquele momento. Foi nesse momento que, num grande jipe camuflado, apareceu o meu amigo Tom com sua família, para nos socorrer, nunca vou esquecer a felicidade que senti naquele momento. Tom era meu amigão do peito.
Fomos morar bem distante do vulcão e ficamos mais amigos do que nunca, Tom e eu éramos inseparáveis. Nossa amizade ficou mais forte quando perdemos nossos pais, pois precisamos mais do que nunca um do outro.
Certo dia meu amigo resolveu fazer uma viagem à cidade do Nunca Mais, porém como eu era muito medroso resolvi não acompanhá-lo, ele ficou muito chateado comigo, mas foi e nunca mais voltou. Assim como Crock, gostaria de saber onde estão os seres humanos desse lugar? Será que encontrarei o meu grande amigo Tom?                 
Tom, era um menino muito especial, adorava a natureza e lutava para preservar o planeta. Diante a tantos acontecimentos resolveu ir até a cidade do Nunca Mais para descobrir algo sobre o paradeiro dos humanos. Haviam sido os culpados por tudo que estava acontecendo, mas acreditava que tudo evoluía, e que as pessoas sempre aprendiam com seus erros e se ele pudesse fazer algo para contribuir com certeza não mediria esforços.
Mesmo sozinho seguiu a sua viagem esperançoso do que encontraria neste lugar novo e desconhecido. Ouvira rumores de que as poucas pessoas que haviam se salvado da grande  erupção, haviam se dirigido para este lugar.
Quando já estava cansado e um pouco desanimado de tanto caminhar, avistou algo que o deixou muito surpreso: um vale imenso de um verde e colorido nunca visto antes, tão brilhante que chegava a ofuscar a vista de quem não estava acostumado. Estupefato, contemplou maravilhado a vista e saiu correndo, respirando o ar mais puro que sentiu na vida, nunca havia sentido nada igual, então parou e pensou: "Será que cheguei na terra do Nunca Mais, mas onde estão os seres humanos que sobreviveram, e agora o que faço?"
Tom ficou por horas e horas ali  admirando tudo. Corria de um lado para o outro, admirando tanta beleza. Tudo era tão maravilhoso! Estava refeito, a atmosfera de lá era meio mágica sentia-se muito bem. Poderia correr, pular, dançar por horas e horas, a canseira havia passado.
Aí surgiu uma grande interrogação em sua cabecinha (além da questão de onde estariam os sobreviventes da tal erupção, se é que haviam sobreviventes) a outra questão era porque o lugar era tão agradável e havia o deixado tão bem, refeito de sua canseira tão estranhamente? Sentiu-se leve, muito leve. Deitou na relva macia e adormeceu. De repente, acordou com alguém o sacudindo. Quando abriu os olhos deparou-se com  um ser estranho, mas de um sorriso encantador. Era tão semelhante ao de seu amigo Frog que ele esfregou os olhos e levantou-se de um salto e perguntou:
-É você Frog??!!!!
-Tom?! É você Tom? - indagou Frog.
- Sim, sou eu amigão! - respondeu Tom.

E, ouvindo a resposta, Frog quase que nem acreditando, falou:

- Nossa! Eu consegui encontrá-lo! Que alegria em vê-lo meu amigo!
E os dois ficaram ali, por um bom tempo conversando e contando as suas buscas, aventuras e as saudades que sentiram um do outro.
Foi quando o Boto cor-de-rosa, muito comovido com o reencontro dos dois amigos informou-lhes que já era hora de seguirem o caminho iniciado.
Seguiram então os amigos Frog, Crock, Lélo, Bela, Beleléu e Tom o seu caminho. Durante a caminhada os amigos tinham uma grande dúvida. A cidade do Nunca Mais seria  apenas  fantasia? Será que este lugar só existia em suas mentes? Mas... como eles desejavam que todos encontrassem um lugar assim tão maravilhoso. 
Seguiram "A Grande Jornada", pois sabiam que quem conseguiu encontrar a cidade nunca mais voltou. Assim, certos de que continuar esta aventura valeria à pena, apesar das dificuldades encontradas no caminho, juntos eles agora tinham duas grandes aliadas, "A Força e a Coragem", e com elas não desistiriam nunca.
Já estavam quase chegando ao local tão esperado quando de repente Tom lembrou-se de uma coisa:

- Esperem um pouco pessoal! - Lembrei de uma coisa muito importante, e que vocês ainda não sabem, pois antes de encontrarmos a cidade do "Nunca Mais", temos que fazer algo de extraordinário, mas só vou contar depois que atravessarmos aquele pântano.

Atravessaram o pântano com muito sacrifício, pois o caminho era cheio de obstáculos, dificultando muitas vezes a travessia. Quando chegaram no outro lado, sentaram a sombra de uma enorme árvore com muitos frutos saborosos e começaram a comer, pois estavam com muita fome. Foi aí que Tom falou:
- Temos que encontrar um tesouro, que nos mostrará o caminho certo a seguir através do mapa que nele consta. Achando o tesouro que está enterrado em alguma parte desta floresta, teremos o mapa que nos levará até ao nosso destino.
Todos ficaram pensativos e em silêncio. Frog preocupado disse:
- Nossa! Como encontraremos um tesouro numa floresta grande como esta?
- Muito simples, disse a fada Bela. Vocês esqueceram que sou uma fada, tenho poderes mágicos e Beleléu conheçe muito bem as florestas?Encontraremos o tesouro num piscar de olhos.
Mais do que depressa, Fada Bela retirou de um saquinho um pó mágico, Beleléu disse umas palavras, o pó se espalhou sobre a cabeça de todos e num piscar de olhos, foram parar numa planície com muitas flores coloridas, árvores de diversas espécies e Tom gritou feliz:
- Ei, pessoal, estas árvores são espécies já extintas.  Acho que já li sobre elas.
Muito curioso, Frog  se aproximou de uma planta de rara beleza e cor. Tinha o perfume inebriante, sem se dar conta do perigo, Frog foi tragado pela enorme flor.
 Desesperado, dentro da flor gritava pedindo socorro temendo abrir os olhos. assim que se encorajou percebeu admiradamente que era possível enxergar tudo que se passava lá fora. Viu o desespero de Bela e de Tom e inutilmente tentava fazer com que percebessem que estava ali, bem e os observando. Começou a procurar um jeito de sair daquele lugar e descobriu um caminho prateado que tinha um som muito agradável e sentiu vontade de percorrê-lo. Mesmo temendo o trajeto deu início a sua caminhada, pois a vontade era maior do que a razão.
Quanto mais ele andava, mais alto ficava o som,  e sentia-se hipnotizado, como se flutuasse em direção a ele. De repente á sua frente surge uma linda luz, tão prateada quanto a que vira no início do caminho. De dentro desta luz surge uma voz que se misturava ao som que estava ouvindo  e, sem saber como, ele ouviu algo que o deixou muito surpreso.
Neste instante, Bela havia descoberto as palavras que deveria dizer para livrar Frog daquela flor, que como descobriram depois, havia sido enfeitiçada pelo mesmo feitiço que Beleléu.  A flor em agradecimento contou a eles que havia sido enfeitiçada, para engolir todos que se aproximassem dela porque ela sabia "o segredo".
- Mas que segredo?  - perguntaram todos admirados.
E Frog, antes que ela pudesse contar disse:
- Eu sei o segredo! Ela me contou quando eu estava lá dentro!
E a flor continuou:
-Isto mesmo. Conto o segredo a todos que engulo, mas é a primeira vez que alguém consegue sair! Então, todos agora poderão saber. O segredo é o local exato do Tesouro da Floresta, onde há um mapa que leva à Terra do Nunca Mais. E só quem tem este mapa pode chegar lá, e sair de lá, pois quem acha a Terra do Nunca Mais sem o mapa, se perde e não consegue sair. 
Então contou aos amigos que o mapa estava enterrado a dez passos à direita de onde ela estava enterrada. Tom rapidamente contou seus passos e demarcou o local que teriam que cavar. Todos cooperaram e retiraram a terra  que encobria uma caixinha de madeira. Esta caixa estava muito envelhecida pelo tempo. Abriram e admirados encontraram um papel envelhecido. Os amigos ficaram perplexos com a revelação e em posse do mapa seguiram sua caminhada. Resolveram sentar-se a beira de um rio para descansar e pensar sobre aquelas descobertas e quem sabe decifrar o enigma do mapa. Após um longo período de descanço, decidiram então que Tom faria a leitura do mapa. Tom por sua vez achou melhor que todos tivessem participação desta tão esperada descoberta. Para a surpresa de todos, ao abrir o mapa, viram que todos os caminhos nele desenhados, modificavam-se aleatóriamente.
- Como saber qual o caminho a seguir? Indagou Frog.
- Calma! Disse Tom.
- Vamos pensar com muita calma, pois se pegarmos o caminho errado jamais encontraremos a cidade.
- Vocês ouviram o que a flor falou? Quem entra na cidade do "Nunca Mais" sem o mapa não consegue mais sair. Deve ser por isso que nossos amigos desapareceram, e com este mapa na mão, consiguiremos trazê-los de volta para casa,disse Beleléu.
- O mapa é mágico, falou a fada Bela. Usarei minha varinha para que nos indique o caminho certo. Como sempre, minha varinha mágica não irá nos decepcionar e certamente pegaremos o caminho que nos levará até nossos amigos, me ajude nessa Beleléu?
-É claro Bela.
   A maioria dos aventureiros estava confiante, porém, na cabeça de um deles começava a pairar uma dúvida cruel... 

 Frog, preocupado, questiona:

- E, se quando chegarmos lá, não encontrarmos todos juntos, pois podem ter tomado caminhos diferentes, o que faremos?

- Calma Frog!

Disse a fada cheia de esperança.

- O importante é acharmos nossos amigos nem que para isso tenhamos que enfrentar todos os caminhos, o segredo da nossa aventura é ficarmos sempre juntos, e mais unidos, sempre unidos.

- Acharemos todos, não deixaremos nossos amigos na mão, disse Beleléu.  

E assim continuaram a caminhada que parecia ser muito perigosa, e ao mesmo tempo muito importante.

Num gesto mágico Bele ergueu sua farinha, pediu ajuda da Beleléu e falou as palavras mágicas:

- Por tudo que mais gostamos! - Pelo amor dos nossos amigos! - Desejo agora encontrar o verdadeiro caminho!!!!

Naquele momento tudo começou a girar como se estivessem entrando em um redemoinho. Um vento forte.... muito forte, soprou carregando todos.

Frog grita:- Vamos nos dar as mãos.... temos que ficar juntos... não podemos nos separar.

- Cuidado não podemos perder o mapa... 

Foi então que voaram para muito longe, numa sensação de alívio e paz, caindo logo em seguida em um lugar muito tranqüilo e lindo, os pássaros e bichos cantavam, demonstrando felicidade e carinho aos novos visitantes.

- Puxa tudo aqui é muiito lindo! - disse Frog.

- Tens razão. Olhe aquele castelo, ali adinte! - disse a fada.

- Deve ser a terra do Nunca Mais. - disse Tom.

Realmente estavam todos a poucos minutos de entrar na tão esperada cidade, mas no mapa dizia que para entrar teriam que desvendar os códigos secretos para a abertura da porteira enorme que dividia a cidade da floresta.

Mas isso não os preocupava, pois o pior já teria passado, estavam prestes a entrar na cidade, salvar e reencontrar seus amigos. Todos estavam muito confiantes e felizes. Andaram mais alguns passos e ficaram frente a frente a um enorme portão. Agora era só decifrar o código e entrar na tão  esperada cidade do "Nunca Mais". Nesse instante lhes ocorreu uma idéia, poderiam usar novamente as palavras mágicas, as quais havia lhes mostrado o verdadeiro caminho até ali. E assim foi,  Bela e Beleléu novamente fizeram valer seus poderes mágicos. Bela ergueu a varinha, Beleléu pronunciou as palavras mágicas e o enorme portão se abriu. Nesse momento, o encanto e a magia tomou conta dos aventureiros, pois o que estavam vendo era algo surpreendente e maravilhoso, um espelho mágico,

 

 com ele seria mais fácil encontrar os amigos. Mas para passar pelo espelho mágico cada um dos aventureiros teriam que  demonstrar algo  para preservar a natureza. Frog, pensou: -  A partir de hoje  vou comer mais insetos, para eles não destruirem as plantações. Tom, falou: - vou plantar mais árvores. CrocK se comprometeu em colaborar com os amigos, ele também faria sua parte na preservação da natureza. Após o comprometimento dos amigos diante de uma causa tão nobre, eis que a passagem pelo espelho é aberta como num passe de mágica e novamente lá estavam eles, com mais um obstáculo vencido, porém, sabiam que o encontro com os amigos, talvez não acontecesse tão rapidamente, talvez eles teriam que superar mais algumas dificuldades, mas isso não os intimidava... Nossa! Que lugar maravilhoso! Era um conto de fadas! Lá Frog e seus amigos podiam sentir Deus mais próximo! Conheceram  uma família de esquilos. Eles perguntaram para a família de esquilos, se eles teriam visto os amigos deles passarem por ali! Claro que...

Sim, vimos seus amigos passarem por aqui. Eles atravessaram um portal! O Portal Mágico é a última fronteira entre o real e a Fantasia. Era o Portal que os levariam até seus amigos....

 

 E lá foram eles atravessando a última fronteira rumo  a Terra do Nunca Mais! Nesse instante, a ansiedade e a espectativa tomava conta dos fiés guerreiros, eles sabiam que o momento do reencontro estava muito próximo. Eles continuaram a busca, agora a aventura estava chegando ao final. O desejo de todos era encontrar os amigos felizes. Andaram mais algum tempo e avistaram um lindo castelo. Ficaram muito confiantes e felizes e seguiram em direção ao castelo. De repente a fada Bela falou:

- Acho que avistei alguns humanos no castelo! Nesse instante Frog começou a rir e chorar ao mesmo tempo. A fada perguntou: 

- Frog, o que está acontencendo contigo? Ele, porém, não conseguia falar de tanta emoção. Aliás, a emoção começava a tomar conta de todos os aventureiros. Será que finalmente teriam eles encontrado seus amigos? Será que a aventura teria praticamente chegado ao final? Para que todas essas perguntas fossem respondidas, eles teriam que entrar no castelo e falar com quem estava lá...

O castelo era alto, imenso, de cores vibrantes. À sua volta, um jardim colorido, com flores perfumadas, plantas desconhecidas por eles, talvez estas só existam na Terra do Nunca Mais, onde o cuidado para com a natureza é extremo.

 

 

Enquanto caminhavam deslumbrados com o que viam, ouviram um barulho que vinha de dentro do castelo. Parecia uma música suave, que os deixou hipnotizados. Todos se dirigiram à porta do castelo e ficaram maravilhados com o que viram. A porta foi se abrindo lentamente e a música suave foi ficando distante, quando foram recepcionados por uma garota que falou:

- Quem são vocês? Vieram nos libertar e nos levar para casa?

- Puxa! Então é verdade? Você está presa neste lugar? Quem a prendeu? Perguntou Frog.

- Calma Frog, está deixando a garota assustada. Disse a fada Bela.

- Quem é você? Perguntou Tom.

A garota convidou-os para irem até a sala dos encantos que iria explicar tudo e apresentar as outras pessoas que poderiam ser seus amigos perdidos. E lá se foram todos ansiosos para ver o que teria em tal sala.

Quando entraram na sala, uma enorme tela de vídeo se abriu e nela começou a passar a vida e as aventuras de cada um. Frog estava  emocionado com sua história de força e coragem, com a excitação ele não percebeu que por uma janela iluminada chegavam os seus amigos perdidos. O reencontro deixou  todos muito animados, afinal a aventura estava chegando ao fim e o reencontro com os amigos deixava todos muito felizes.

 

E assim os amigos foram se aproximando um à um, e a felicidade tomava conta do ambiente, mas com o reencontro dos amigos era o fim da grande jornada, que mesmo com todas as dificuldades foi bem sucedida.Chegava a hora de retornar ao lar, Frog e Tom teriam que tomar uma decisão ficar naquele castelo encantador, onde o carinho e respeito por todos os seres fazia parte daquele mundo ou retornar para sua terra. Um mago chamado Baruk apareceu na sala, apresentou-se e viu o dilema dos amigos e falou: - Não quero influenciar na decisão de vocês, mas reflitam sobre o mundo que querem viver e o que desejam no fundo dos seus corações para seu futuro. Todos se olharam e começaram a refletir sobre suas histórias de vidas e quais seus verdadeiros propósitos.

Foi então que Baruk disse: - Fiquem esta noite aqui e amanhã pela manhã já terão a resposta.

Pela manhã Frog, Tom e Lélo reuniram-se para comunicar suas decisões, todos decidiram que, embora fosse um mundo maravilhoso o propósito da viagem era levar de volta seus amigos, e assim o fariam, pois acreditavam que com todas as experiências que tiveram eles estariam mais preparados para enfrentar o mundo que os esparava. Comunicaram a Baruk a decisão, e o mago ficou feliz por saber que os pequenos não desistiram de lutar para que o mundo que viviam se tornasse um mundo melhor.

 

Comments (24)

Anonymous said

at 8:49 am on Sep 16, 2007

Os temas escolhidos para as histórias foram acertados. Facilitam a participação das pessoas mais tímidas e também daquelas que tem dificuldade para escrever.

Anonymous said

at 2:21 pm on Sep 16, 2007

Bem...na verdade eu estava esperando que a atividade fosse postada no wiki do pólo, para participar. Mas, como verifiquei que uma das colegas já havia iniciado...

Anonymous said

at 11:37 am on Sep 17, 2007

Grupo "antenado" dá nisso. Começam as atividades antes mesmo de serem oficialmente postadas. Pelo visto,. vários deixaram o "Notify me of changes" está no modo ON. Bom trabalho!

Anonymous said

at 1:07 pm on Sep 17, 2007

Adorei esta atividade.Também já fui no site indicado no Para pensar.Fiz o teste do vocabulário e tive uma excelente pontuação.Confiram ,vale à pena!Beijos,Luciene

Anonymous said

at 6:05 pm on Sep 17, 2007

Muito interessante esta atividade, principalmente por ser feita de maneira coletiva onde cada um expressa sua criatividade individual e no final criamos uma única história.

Anonymous said

at 11:33 pm on Sep 18, 2007

Pessoal,a histótia é infantil...será que devemos usar :bifurcação?Canibal? Trouxe a questão para pensarmos...Abraços!

Anonymous said

at 4:01 pm on Sep 19, 2007

Olá, Luciane e colegas, muito boa tua questão. Vou propor um desafio: vamos fazer de conta que estes termos não podem mais ser retirados da história e que, de fato, as crianças não tem idéia de seu significado. O que podemos fazer? Como resolvemos este problema? Abra@os...

Anonymous said

at 10:05 pm on Sep 19, 2007

Luciane, sinceramente, acho perfeitamente natural estes termos. Nossas crianças lidam muito bem com estes conceitos. Muitos assistem filmes como o "Museu de cera" que eu realmente morro de medo. Mas tudo bem respeito tua opinião. Um abraço. Rosária

Anonymous said

at 10:40 am on Sep 23, 2007

Rosária também acho natural esses termos,pois aparecem em várias leituras e filmes,mas não concordo muito,sempre que os alunos comentam algo sobre esse tema, que viram filmes ou leram alguma história, faço uma reflexão sobre o assunto,pois o dia a dia deles já tem tanta violência,conversamos sobre o assunto e refletimos,pois noto que esses termos em alguns desperta uma sensação errada, de que é legal, emocionante, etc...
Isso é o que observo nos meus alunos, claro que cada um é um, todos somos diferentes. Beijos, respeito a opinão de todos.

Anonymous said

at 11:58 am on Sep 23, 2007

Nossos alunos convivem com esses termos,por isso não podemos fugir da realidade deles..vivem comentando se vi esse ou aquele filme...que mostram cenas de muito horror,usam uma linguagem forte que na verdade não seria para a faixa etária deles..mas se os pais permitem,devemos fazê-los refletir sobre isso mostrando o outro lado,fazendo-os repensar sobre seus significados.
bjs..é isso que penso que podemso de fato fazer!

Anonymous said

at 8:29 pm on Sep 25, 2007

Estou pensando que a história ficará muito longa, para crianças de series iniciais, não acham?

Anonymous said

at 8:01 pm on Sep 26, 2007

Pessoal e profe Íris! Inicialmente uma correção:meu nome é LuciEne e não LuciAne( risos).Segundo:não acho que devemos fugir da realidade de nossos alunos,mas será que uma história infantil deve retratar a realidade "nua e crua"?Porque não podemos proporcionar um outro tipo de "viagem".Se a realidade é tão dura todos os dias,podemos deixá-la mais suave pelo menos numa história.Vou fazer este teste com meus alunos,que são moradores,de uma das comunidades mais violentas ,atualmente ,da zona leste de Porto Alegre.Perguntarei se eles sabem o que significa mestas duas palavras.Depois relato à vocês.O que observo,em meu trabalho,é a alegria e a entrega deles,quando têm uma hora do conto,com argumentos simples e bem fora do vivem,mas de acordo com a idade em que estão.Como todas escreveram,cada uma tem seu ponto de vista,mas é bacana debater.Obrigada pela participação de vocês.Abraços,Luciene

Anonymous said

at 8:03 pm on Sep 26, 2007

Ops,uma correção:significam

Anonymous said

at 11:11 pm on Sep 26, 2007

Oi,pessoal e profª. Iris! Adorei esta atividade, já vinha acompanhando, mas não entrei porque minha mãe estava no hospital e não conseguia pensar em nada. Sinto-me insegura em expor minhas idéias e aceito correções caso tenha saído fora do tema. Beijos!!!

Anonymous said

at 7:12 pm on Sep 27, 2007

Olá pessoal!Estou dando o retorno prometido:perguntei o significado de canibal e bifurcação aos meus alunos,hoje. Leve noção sobre a primeira e nenhum conhecimento sobre a segunda.Abraços,Luciene

Anonymous said

at 8:52 pm on Sep 27, 2007

Oi, Lu! Pensando na leitura de um dos capítulos da Fanny e em nossas experiências, concordo contigo e acrescento a questão do prazer. Nossos alunos sentiriam prazer ao ouvir essa ou outras histórias que lembramos? Sempre penso em critérios...O que é importante ter em uma história para meus alunos? Que tipo de linguagem, que conteúdo ideológico, como se desenvove a narrativa dos personagens... Muitos personagens sem um objetivo claro (de estar na história), confundem...

Anonymous said

at 5:20 pm on Sep 30, 2007

Olá pessoal, ainda bem que existem meios de saberem que tive participação(considerada pouca), pois li toda a história e não encontrei o que escrevi. Acredito que talvez o meu personagem era de outra história.Iliana.

Anonymous said

at 5:52 pm on Sep 30, 2007

Pessoal!Estive relendo esta história e gostaria de comunicar o que fiz por aqui:
1)mudei o nome da irmã do vento para BRISA,pois penso que está mais dentro do contexto de irmã do VENTO e ajustei as frases onde constava MARIA,como identificação deste persongem.
2)CANIBAL come carne humana,como Frog,Lélo e Crock podem correr perigo na casa da bruxa,se são animais?Segundo o dicionário Silveira Bueno, canibal quer dizer:indígena antropófagoindivíduo que come carne humana.
Não quis mexer mais nesta parte antes de trazer esta questão para pensarmos.Abraços,Luciene

Anonymous said

at 5:56 pm on Sep 30, 2007

Pensei que poderíamos colocar que ela ,á noite, transforma-se em uma bruxa muito malvada e que come tudo o que encontra pela frente,ao contrário do que faz durante o dia.Talvez fique mais coerente.O que acham?

Anonymous said

at 11:57 pm on Sep 30, 2007

Olá, LuciEne, Elizabeth e colegas! :) Encontrei que Canibalismo consiste no ato de consumir uma parte ou a totalidade de um indivíduo da mesma espécie. Imaginei que os alunos pudessem ter uma noção do termo canibalismo em função da disseminação daqueles quadrinhos em que aparecem vários "africanos" em volta de um caldeirão, onde cozinham um indivíduo branco. Hoje reli a história e chamou minha atenção a passagem que fala de Tom. Há ali qualquer coisa em relação à passagem do tempo que não entendi direito. O que acham? Elizabeth, entendemos que problemas de saúde de um familiar nos roubam todo o foco, mas insegurança precisamos deixar para outro lugar. Aqui, as idéias, mesmo que depois modificadas e até descartadas (como pode ter acontecido com a participação da Iliana), nos ensinam algo. Vai em frente, sem medo de brincar! Bia, Tathy e Marivani, acredito ser interessante pensarmos nos aspectos que trouxeram. Será que podemos concluir que está sendo mais fácil incluir novos personagens do que explorar as possibilidades dos que já existem? Abra@os

Anonymous said

at 1:50 am on Oct 1, 2007

Oi Íris! Acredito que eles até conheçam estes quadrinhos de que falas,mas a questão é que os persongens são animais ...a bruxa,a princípio é uma pessoa...logo não poderia ser classificada como canibal pq come os bichos.Consegui explicar como pensei esta parte?Abraços,Luciene

Anonymous said

at 4:33 pm on Oct 1, 2007

Oi Pessoal, estamos em um momento crucial que é o do fechamento. Não poder ser brusco porque parece aquele bombom que nem dá tempo de degustar. Mas, a Marivani trouxe uma questão importante: o tamanho muito grande do texto para crianças. O que podemos fazer para testar essa afirmação? E se ele for grande, como poderíamos resolver a questão de outro modo? Será que poderíamos fazer estilo novela, onde sempre termina em em momento interessante? E se aparecer palavras tipo bifurcação, como seria um jeito criativo de explorá-la?
Um abração
Bea

Anonymous said

at 12:02 pm on Oct 4, 2007

Olá, Luciene. Entendi, sim. Foi por isso que trouxe a definição que encontrei. O canibalismo não se restringe aos seres humanos. É uma prática que se dá entre indivíduos da mesma espécie, sejam eles humanos ou animais. Portanto, o problema continua, apesar da definição de canibalismo ter maior amplitude, pois na história as espécies são diferentes.
Será que o "autor" do canibalismo está acompanhando esta discussão? Abra@os, Iris

Anonymous said

at 12:15 pm on Oct 8, 2007

Oi Pessoal, a história infantil é a mais comprida e com mais problemas de coerência interna. Será que foram colocados muitos personagens? Será a nossa dificuldade em pensarmos em uma história para crianças? Interessante que somos prof de crianças!! Será que a gente não decodificou bem o mundo infantil?
Quem sabe, pedimos para eles fazerem uma história coletiva para fazermos alguns estudos?
Ela pode ser feita oralmente em aula e depois escrita.O que acham?
Um abraço
Bea

You don't have permission to comment on this page.